O que é IHM e para que serve?

A interface homem-máquina é um dos tópicos mais quentes da automação industrial. Portanto, não é surpresa que tenha surgido uma feroz competição entre empresas para apresentar a plataforma mais inovadora, capaz de aproximar dois mundos destinados a se fundir: humanos e máquinas.

O que é um sistema IHM?

Uma IHM, também conhecida como Interface Homem-Máquina, é um dispositivo ou software que permite ao usuário se comunicar com as máquinas e plantas de produção. Traduzindo uma enorme quantidade de dados complexos em informações acessíveis . Dessa forma, o operador possui todas as ferramentas necessárias para controlar o processo de produção.
Semelhante à maneira como você interage com o sistema de ar condicionado para verificar e controlar a temperatura em sua casa, um operador de chão de fábrica pode usar uma IHM para verificar e controlar a temperatura de um tanque de água industrial ou para ver se uma determinada bomba na instalação está em execução no momento. Contextualizando essa definição no mundo da automação industrial, fica claro que quanto mais responsiva e fácil de se usar a IHM, mais eficiente e econômica é o trabalho.As IHMs são recursos essenciais para os profissionais que a utilizam, sendo para revisar e monitorar processos, diagnosticar problemas, acompanhar o tempo de produção, supervisionar KPI’s, monitorar entradas e saídas, visualizar dados, tendências e tags.

Evolução da IHM
Na última década, as mudanças nas necessidades operacionais e comerciais instigaram desenvolvimentos interessantes na tecnologia IHM, se tornando mais comum ver formas evoluídas, como IHMs de alto desempenho, telas sensíveis ao toque e dispositivos móveis, junto com os modelos mais tradicionais.
Mas o que torna esses sistemas potencialmente ilimitados? Existem duas respostas.
Primeiro, é tudo sobre o software. Hoje estamos testemunhando uma padronização progressiva do que antes era considerado opcional (por exemplo, tela de toque ou tela colorida) hoje as empresas precisam competir em termos de programas e SCADA.
Segundo, integração com as novas tecnologias “físicas”.As tendências que marcam os dispositivos tecnológicos de uso comum. Essa é a tendência das IHM’s de última geração: permitir que as pessoas que as utilizam encontrem o mesmo uso familiar e fácil de smartphones e tablets.


IHM na automação industrial
As IHMs se comunicam com controladores lógicos programáveis ​​(PLCs) e dispositivos de entrada / saída para obter e exibir informações para os usuários visualizarem. As telas da IHM podem ser usadas para uma única função, como monitoramento e rastreamento, ou para executar operações mais sofisticadas, como ligar/desligar máquinas e seus componentes, ou aumentar a velocidade de produção, dependendo de como elas são implementadas.
As IHMs são usadas para otimizar um processo industrial, digitalizando e centralizando os dados para um visualizador. Ao acessar a IHM, os operadores podem ver informações importantes exibidas em gráficos, tabelas ou painéis digitais, visualizar e gerenciar alarmes e conectar-se aos sistemas SCADA e MES, tudo através de um console.Para simplificar ainda mais o trabalho dos operadores, a tecnologia touch screen permite uma interação intuitiva com ás máquinas e o processo produtivo.
Anteriormente, os operadores precisavam andar pelo chão de fábrica constantemente para revisar algum progresso do processo, e registrá-lo em um pedaço de papel ou quadro branco. Ao permitir que os CLPs comuniquem informações em tempo real diretamente a um monitor IHM, elimina a necessidade dessa prática desatualizada e, assim, reduz muitos problemas dispendiosos causados ​​pela falta de informações ou erro humano.

Observando o futuro da IHM
No horizonte, os especialistas estão explorando maneiras de implementar a Realidade Aumentada (AR) e a Realidade Virtual (VR) para visualizar as funções de fabricação.
Como os dados assumem um papel cada vez mais essencial na fabricação, o futuro parece muito brilhante para a IHM.
Essa tecnologia pode ter percorrido um longo caminho, no entanto, os especialistas não têm dúvidas: não vimos senão a ponta do iceberg.


Continue lendo nosso blog para estar sempre atualizado sobre a evolução desse campo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *